domingo, 19 de janeiro de 2014

47- O QUE É COMMUNICATION THINKING?

Quando eu trabalhava como redator, as agências de propaganda eram grandes e departamentalisadas. O pessoal de atendimento ia ao cliente (só ele, era o dono do cliente), depois passava suas necessidades para o pessoal de planejamento, que preparava um belo briefing para a criação. E nós dependíamos da qualidade deste dois caras aí para ter um bom pedido de trabalho, com informações de qualidade que ajudassem a criar belas campanhas.

Tinha caras muito bons de atendimento e de planejamento, mas eram poucos. E todos os criadores queriam trabalhar com eles. Uma boa peça de planejamento já vinha com ideias prontas (que nós reconhecíamos como ideias, eles não) e até com os títulos do anúncios, prontinhos para serem copidescados. Eles só não faziam o trabalho todo sozinhos porque não tinham sido treinados para criar, ou não gostavam.

Quando virei Diretor de Criação, percebi que seu eu participasse da equipe de planejamento podia ajudar a melhorar os briefings que passávamos para a criação. Como profissional de criação, eu tinha a visão do processo que vinha em seguida, sabia o que ia ajudar ou atrapalhar a inspiração de nossos colegas. Foi uma bela experiência a prática de pensar as campanhas, antes mesmo delas serem criadas.

Mais tarde percebi que o buraco era mais embaixo. Na verdade existiam e existem empresas que já são criativas elas mesmas. São baseadas em valores que fazem com que o próprio trabalho deles no dia a dia seja mais criativo que os concorrentes. Em todos os sentidos. E quando a bola chega na agência de propaganda, já vem redondinha, é só chutar e marcar o gol. E correr para a plateia, para buscar o prêmio.

Porque uma empresa, na verdade, se diferencia das outras pelos valores e idéias que ela representa. São estes valores que determinam o comportamento dela e de seus funcionários. O que ela faz nada mais é que a materialização dessas intenções expressas nos valores. Está lá no DNA se a empresa vai ser moderna, inovadora, diferente. Ou, como a maioria, mais uma empresa igual  às outras. Uma fábrica de produtos, não uma empresa que agrega valor ao que faz.

Mas, além de ter essa visão de construir uma empresa em cima de valores diferenciados, a empresa também precisa ter coerência. Escolher o que pretende ser, acreditar, ter coragem e seguir este caminho sem desviar do rumo. Poucas empresas conseguem criar e realizar essa proeza.

Um belo exemplo disso é a Apple. Numa época em que Microsoft e Dell perseguiam o objetivo de um computador em cada casa, em cada escritório, Steve Jobs desafiou: “Não queremos fazer computadores. Queremos mudar a vida das pessoas”. E soltou aquela frase, que acompanha a Apple até hoje, criada por um publicitário amigo dele: Think Different. Passou por várias crises, quase quebrou, mas manteve a coerência. Hoje é a empresa mais valiosa do mundo. E uma das mais admiradas.

Mudou realmente a vida das pessoas? Mudou primeiro a indústria gráfica e de cinema com seus computadores e softwares, diferenciados na época. Mudou a nossa forma de trabalhar em propaganda, com os computadores gráficos. Mudou o conceito dos celulares com o iPhone, o primeiro smartphone com aplicativos, um verdadeiro mini computador. Lançou o iPod, que mudou a indústria da música. Inventou o Ipad, que mudou de vez a vida de todos nós. E está mudando a forma de fazer jornais, livros, TV.



Quer uma aula de coerência? Leia a biografia de Steve Jobs, por Walter Isaacson. Você vai ver como ele era obcecado por este posicionamento, nos mínimos detalhes. E cobrava todo dia de seus colaboradores a execução dessas ideias. Nos produtos, no conceito das lojas Apple, até em detalhes como a pedra que seria o piso das lojas –depois de várias lojas prontas, achou na Itália uma pedra com o tom de cinza que ele  estava perseguindo, mandou trocar os pisos de todas as lojas.

Baseada nestes conceitos, e nessas estórias, Communication Thinking é isso: uma outra forma de pensar o mundo. Um jeito bem aberto de enxergar o momento e planejar o futuro, do ponto de vista dos valores que movimentam uma empresa e seus produtos. E dos resultados que eles vão conseguir. Incluindo aí sua relação futura com os consumidores, examinando se esses mesmos valores (que são a base da imagem e do comportamento da empresa) também vão motivar as pessoas, interagir com elas. É uma forma de enxergar o processo de comunicação como um todo, até o fim, antes mesmo dele começar.

Estou botando minhas ideias no papel, correndo o risco de soar muito professoral. Mas é que algumas coisas têm que ser escritas com precisão, para não deixarem dúvidas. Para mim,  o conceito está claro e qualquer profissional de comunicação tem prática e conhecimento para pensar assim.

Só resta romper a barreira de quem só chama o profissional de criação quando quer criar e veicular uma campanha. Pois saibam que tudo que sua empresa faz é comunicação: a forma como você se relaciona com seus funcionários, a forma como eles se relacionam com seus clientes, o design de suas embalagens, todo contato da sua empresa com os outros faz parte do seu processo de comunicação.

Pois saibam, também, que existe uma forma diferente de pensar empresas, produtos, imagens de marca, e que não acaba necessariamente com uma campanha de comunicação. Mas sim resolvendo problemas, melhorando o futuro das empresas. Às vezes, sem fazer nenhum anúncio. Só pensando.



4 comentários:

  1. Raul, aqui é a Connie Harrison. Fui parceira sua e cliente, remember? Fizemos uma campanha de Portraits lindona... Tive a honra de ter Apple como cliente quando lançou o CUBE. Ah, se todos pudéssemos ter clientes com esta Visão que vc deixa tão clara...o sonho materializado...mas aqui a gente só ia pro ar o que vinha dos US of A. Com trilhas roqueiras de matar de tão divinas. aração proce , cara pálida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beijão, Connie. Estou abrindo uma conversa aqui. Participe.

      Excluir
  2. Parabéns pelo artigo e pelo blog Raul. E sucesso! Quando se junta a experiência (que vc tem de sobra) com a vontade de continuar fazendo e aprendendo, o resultado costuma ser bem bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cascão. Grande abraço. O importante é continuar aprendendo sempre. E passando nossa experiência para os que vêm aí, não é mesmo?

      Excluir